domingo, 31 de julho de 2011

Espero que esta não falte!

E hoje é dia de concerto! E aqui o vosso amigo vai lá estar!! Depois conto como foi!

É hoje!!

sábado, 30 de julho de 2011

Memórias!!

Esta noite estive a ouvir o directo na Antena 1 do Festival de Músicas do Mundo em Sines, e veio-me à memória que há três anos esta foi uma noite muito especial e que guardarei para sempre na memória!!

Obras de arte...

Isto podia ser só um cartaz de um filme! Pois podia, mas como diz o outro, não era a mesma coisa. E vai daí, é uma obra de arte!!

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Estou "apaixonado"...

...pelo futebol feminino!!

Está a decorrer o Campeonato do Mundo de Futebol Feminino, na Alemanha, e vai daí tenho dado uma vista de olhos ao site da FIFA para ver os resultados e os vídeos com os golos, já que não tenho visto os jogos. Realmente o nível é já muito bom, quase ao nível do futebol masculino. E não digo isto com desdém, mas com a certeza de que a breve prazo será possível uma evolução que coloque as mulheres ao nível do homens em termos de jogo. Pelo que tenho visto e analisado, há uma diferença fundamental, que se prende com o facto das mulheres jogarem ainda com um grande grau de "ingenuidade", o que por vezes origina alguns erros, mas tirando isso... Essa "ingenuidade" até que é boa, pois beneficia o espectáculo, e tem mais a ver com o facto do futebol feminino ser recente, do que com a falta de talento ou cultura de jogo das jogadoras.

Mas, no meio disto tudo, o que eu gosto mesmo, é de algumas caras bonitas que jogam nas diversas selecções. Esta menina é só uma delas!! :)

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Confiança...

Um amigo meu desabafou com uma "amiga" algumas sobre um passado recente e uma relação passada, que ainda não tinha ficado bem resolvida. Teceu alguns comentários sobre outras pessoas que estavam próximo ou que se aproximaram, e vai daí essa "amiga" foi contar aos outros o que este lhe havia dito! E pronto, acho que o resto da história está bom de ver como foi! Uns andam zangados, outros deixaram de falar com ele, outros apenas magoados mas pode ser que passe... enfim, uma confusão!

E porque não saber guardar as coisas só para nós!? Se nos contam e desabafam connosco, é porque acham que nós sabemos gerir a informação. E têm confiança em nós! CONFIANÇA!! Sabem o que isso significa?

terça-feira, 12 de julho de 2011

Relações!

Em matéria de relações não sou exemplo para ninguém. E tenho as minhas falhas, como todos temos, mas devo dizer que me dá um certo gozo ouvir algumas amigas a queixarem-se de que não vão a lado nenhum e que os namorados não lhes ligam nenhuma, quando estes passam os dias no café a beber cerveja, nomeadamente ao fim de semana, enquanto elas assistem a isto, impávidas e serenas, como se nada se passasse.

Outra das situações é que depois ainda dizem que não saem porque isto está mau e se gasta dinheiro. Sabendo eu que numa tarde destas se pode gastar umas dezenas de euros em copos e petiscos, assim sem dar por isso, apetece-me perguntar se para umas coisas há crise e noutras não!! Enfim, prioridades e maneiras de ver as coisas!

Mas quem sou eu para me meter...

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Dias que correm...

felizmente que nos últimos dias tenho conseguido estar mais ocupado com trabalhos, pois sempre dá para animar um pouco, além de que dá para ganhar algum dinheiro. Mas sobretudo pelo ânimo! Esperemos que continue assim e que no Inverno não baixe o ritmo.

terça-feira, 5 de julho de 2011

A propósito do post anterior...

... é realmente difícil esquecer alguém que ainda se ama!! E talvez estas minhas incursões pelas memórias também não ajudem muito, mas enfim... é mais forte que eu!!

segunda-feira, 4 de julho de 2011

"Como é que se Esquece Alguém que se Ama?"

Mais uma bela dissertação deste senhor!! Miguel Esteves Cardoso de seu nome!!

Como é que se esquece alguém que se ama? Como é que se esquece alguém que nos faz falta e que nos custa mais lembrar que viver? Quando alguém se vai embora de repente como é que se faz para ficar? Quando alguém morre, quando alguém se separa - como é que se faz quando a pessoa de quem se precisa já lá não está?

As pessoas têm de morrer; os amores de acabar. As pessoas têm de partir, os sítios têm de ficar longe uns dos outros, os tempos têm de mudar Sim, mas como se faz? Como se esquece? Devagar. É preciso esquecer devagar. Se uma pessoa tenta esquecer-se de repente, a outra pode ficar-lhe para sempre. Podem pôr-se processos e acções de despejo a quem se tem no coração, fazer os maiores escarcéus, entrar nas maiores peixeiradas, mas não se podem despejar de repente. Elas não saem de lá. Estúpidas! É preciso aguentar. Já ninguém está para isso, mas é preciso aguentar. A primeira parte de qualquer cura é aceitar-se que se está doente. É preciso paciência. O pior é que vivemos tempos imediatos em que já ninguém aguenta nada. Ninguém aguenta a dor. De cabeça ou do coração. Ninguém aguenta estar triste. Ninguém aguenta estar sozinho. Tomam-se conselhos e comprimidos. Procuram-se escapes e alternativas. Mas a tristeza só há-de passar entristecendo-se. Não se pode esquecer alguém antes de terminar de lembrá-lo. Quem procura evitar o luto, prolonga-o no tempo e desonra-o na alma. A saudade é uma dor que pode passar depois de devidamente doída, devidamente honrada. É uma dor que é preciso aceitar, primeiro, aceitar.

É preciso aceitar esta mágoa esta moínha, que nos despedaça o coração e que nos mói mesmo e que nos dá cabo do juízo. É preciso aceitar o amor e a morte, a separação e a tristeza, a falta de lógica, a falta de justiça, a falta de solução. Quantos problemas do mundo seriam menos pesados se tivessem apenas o peso que têm em si , isto é, se os livrássemos da carga que lhes damos, aceitando que não têm solução.

Não adianta fugir com o rabo à seringa. Muitas vezes nem há seringa. Nem injecção. Nem remédio. Nem conhecimento certo da doença de que se padece. Muitas vezes só existe a agulha.

Dizem-nos, para esquecer, para ocupar a cabeça, para trabalhar mais, para distrair a vista, para nos divertirmos mais, mas quanto mais conseguimos fugir, mais temos mais tarde de enfrentar. Fica tudo à nossa espera. Acumula-se-nos tudo na alma, fica tudo desarrumado.

O esquecimento não tem arte. Os momentos de esquecimento, conseguidos com grande custo, com comprimidos e amigos e livros e copos, pagam-se depois em condoídas lembranças a dobrar. Para esquecer é preciso deixar correr o coração, de lembrança em lembrança, na esperança de ele se cansar.


Miguel Esteves Cardoso, in 'Último Volume'